PAE - Programa de Assistência a Empregados

O Programa de Assistência a Empregados, vulgarmente conhecido por EAP´s (Employment Assistance Program), serviço que a ATT tem vindo a desenvolver junto das empresas, tem por base vários tipos de intervenção que, em termos gerais, podemos caracterizar do seguinte modo:

programa

Nível político/estratégico:

Definição de uma política negociada com a administração, sindicatos e estruturas de empresa directamente envolvidas (saúde e recursos humanos).


Nível dos Princípios:

Princípios: saúde (prevenção, assistência, recuperação, reinserir), protecção do emprego (com limites a definir na política da empresa) e confidencialidade.


Nível dos conteúdos:

Álcool, drogas ilegais, problemas emocionais, problemas relacionais (familiares, jurídicos...), problemas económicos.



Nível operacional:

Baseado nas chefias de primeira linha, que procedem à avaliação do desempenho confrontando o trabalhador de um modo construtivo no caso da deterioração do seu desempenho (sem juízos de valor).

- Divulgação do programa e dos seus princípios produz auto-referenciação.
- Grupo de recuperados que intervém na primeira linha de gestão das situações de crise.
- Estrutura de saúde na retaguarda, actuando como segunda linha nas situações de crise, gerindo o programa e a evolução dos casos.
- Serviço de gestão de recursos humanos articula com o serviço de saúde na gestão do programa e dos casos.
- Apoio de consultores externos na avaliação da situação e no encaminhamento.
- Apoio a colaboradores da empresa e seus familiares em situação de crise ou em processo terapêutico.
- Rede secundária de instituições para onde são encaminhados os casos.

Problemas de álcool e/ou drogas
nas empresas
Possíveis sinais de alerta

- Mudanças súbitas no rendimento de um ou mais trabalhadores.
- Mudanças súbitas no comportamento de um trabalhador (ex.: humor, isolamento, irritabilidade, agressividade, reactividade à crítica...)
- Faltas não justificadas ou mal justificadas (em especial no início da semana, depois de receber o ordenado ou a seguir às refeições).
- Ausências repentinas e não explicadas (ex.: empregado que falta ao trabalho depois de uma saída ou almoço).
- Atrasos de manhã ou a seguir ao almoço.
- Evitamento de colegas e especialmente do supervisor.
- Cheiro a álcool, voz entaramelada, sonolência, tremor das mãos, etc.
- Uso excessivo de purificadores do hálito.
- Problemas relacionados com criminalidade, falta de dinheiro, erros de condução, etc.
- Pedir frequentemente dinheiro emprestado.
- Roubos/desaparecimento de material, equipamento, dinheiro e outros haveres.
- Aumento de número de acidentes de trabalho.